quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Pastor Marcos Sobral


Vai-se o homem e ficam suas idéias. Vai-se a matéria, mas o processo o qual ela iniciou, continua a desenrolar-se.

Nosso amigo, nosso irmão – o Pr. Marcos Sobral –, findou sua existência física como mártir da solidariedade,... e amor ao próximo.

A violência pôde por fim ao seu corpo físico. Mas ela não pode deter a história; os ensinamentos; os exemplos e a influencia do Espírito que se manifestou por meio dele. O visível passou, mas o invisível continua e continuará o seu trabalho.

Orgulhosamente a Comunidade INDO faz menção da amizade, da vida e obra do amado pastor Marcos Sobral. Que o seu exemplo permaneça em nossa memória.

Gleilson Alves e Comunidade INDO

OLHANDO PARA O PASSADO...


Viver e perceber o que se é vivido, é essencial para todo aquele que busca ter um encontro com o seu SER REAL.

Olhando pro passado, mas não se envolvendo, podemos perceber e ver que na historia de nossas vidas o inevitável sempre acontece.

Algumas pessoas não entendem o que significam as palavras do mestre quando ele diz:

...aquilo que plantares certamente colherás...”

Quando a maioria das pessoas olham pro passado, apenas percebem o que se passou, mas não percebem o que acontece no presente momento em que estão pensando no passado, as emoções, os sentimentos revividos, etc.

Tenho a convicção de que se nos colocamos no lugar de observador de nós mesmos, teremos uma experiência inacreditável com a nossa essência original, vinda direta do criador.

Olhe para o passado, sem se envolver, perceba VOCÊ no agora, e encontrarás com o seu SER REAL.

Então ouso dizer:

“Se nos encontrarmos com nós mesmos, nos encontramos com o próprio Deus!”

Gleilson Alves

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Quando percebemos nossa insignificância...


Tenho andado por caminhos a muito desconhecidos para mim, mas ao mesmo tempo sinto como se já os conhecesse.

Percebi, então, que o segredo daquilo que sinto hoje é o poder de meu ego ainda querendo ecoar em mim, querendo me fazer cair e me fazer voltar a caminhos que antes já tinha trilhado, mas que quase me levaram a morte.

Não sei o porquê desses sentidos tão confusos hoje, mas creio que tudo isso tem um propósito.

Então nesse meio tempo de trevas e isolamento espiritual, percebi que o poder do EU é que me faz ainda vir abaixo, foi aí que percebi minha insignificância, minha luz, minha paz.

Não sei mais se posso chamar tal coisa de insignificância, mas nomeio dessa forma visando que não preciso de um significado para viver, mas sim de um propósito.

Hoje eu sei que desfalecerei somente quando meu propósito for cumprido aqui nesse plano.

Então, ouso afirmar que:

Quando percebemos nossa insignificância, nos encontramos conosco, e vemos para onde temos que ir... Mas será isso suficiente?”

Gleilson Alves