quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Julgar ou frutos? O que você escolhe?


Coloque-se num lugar de uma pessoa com atitudes e comportamentos errados, como você reagiria a uma critica, acharia um julgamento ou aceitaria devido a ser seus frutos?

Pensemos...

Quando eu estou num super mercado, na fila do caixa, e vejo um rapaz com uma arma apontada para o caixa e colocando o dinheiro da sacola, será que se eu disser que ele é um ladrão eu estarei julgando?

Agora coloque-se na mesma situação, sendo que não existe a arma e nem o dinheiro da sacola, apenas um rapaz no caixa, passando suas compras e colocando-as na sacola, será que se eu falar que ele é ladrão, apenas por causa de sua aparência física, isso seria julgamento?

A bíblia nos adverte acerca do julgar: “não julgueis para não seres julgado na mesma proporção que tu julgas”.Julgar é falar de algo ou de alguém sem fatos e nem dados concretos, é apenas especular, por causa de aparência física ou de um comportamento diferente do abitual.

E também nos falar acerca dos frutos: “conhecereis a árvore pelos fruto.”

Devemos ponderar o seguinte...

Acima de qualquer coisa vem o testemunho de servos que temos que ter ( 1 PE 2.11), quando se trata de alguém que está trazendo escândalo para o nome de Jesus, a advertência é mais do que necessária, ela é imprescindível. Falar de algo que se vê não é julgar, é falar que: Se a árvore está dando manga, é porque ela é uma mangueira não é verdade?

Gleilson Alves

Um comentário:

Edson Carmo disse...

O fruto vem de dentro para fora. O juízo é de fora para dentro.

Por causa da lei dos homens, ladrão é aquele que leva sem pagar. O que paga, é roubado pelos altos preços, mas ninguém chama o dono do supermercado de ladrão.

Assim, é mais seguro definir pelos frutos, do que pelas convenções. É mais seguro definir pelos frutos do que pela mera interpretação que muitas vezes não passa de imitação.

Há coisas neste mundo que são legais, mas isso não quer dizer que elas sejam justas!


Edson Carmo