quinta-feira, 27 de agosto de 2009

AOS QUE SE INCOMODAM COM OS COMENTÁRIOS DOS EX’S


Este é todo o preço que se paga por um dia possuir alguém. Você possui uma pessoa por um tempo, e quando você a larga, ela só sabe ser sua propriedade; tornou-se dependente, carente – é semelhante ao cachorrinho que cai da mudança.

Ora, um pássaro é colocado em uma gaiola, o dono pensa que está lhe ajudando, mas na verdade o está condicionando. Foi o que aconteceu, você condicionou o seu EX – o que o deixou sem saber viver sem você. Mas não se pré-ocupe, tudo isso passa, ninguém lança o balde por muito tempo em um poço onde não há água. Uma hora ele vai se cansar, paciência!

Mas me responda: "por que você está tão incomodada?" "Que tamanho tem o seu Ego?" "Qual a dimensão da sua culpa?" "Por que você se ofende tanto por ser alvo de falatórios?" "Quem escapa disso?" "Por ventura você se constituiu melhor que as outras pessoas?" Ah querida, não seja utópica, pare de se lamentar, pare de investigar, deixe de fazer papel de coitadinha... Se você quer mesmo ter uma nova vida, então abandone a antiga. E saiba: você não tem nem sequer um inimigo! O único inimigo que você tem não é ninguém que não seja você mesma – é você quem está fomentando, cultivando toda esta tormenta. Existe um ditado que diz: "O que os olhos não vê, o coração não sente; e o que os ouvidos não ouvem, não desse para o coração", mas você faz questão de ver e ouvir estes venenos. Quem é de fato o seu inimigo?

Lembre-se, não adianta lutar contra casas de aranha se a aranha não for morta. Não adianta perseguir consumidores de drogas se os traficantes ficarem soltos...

O seu EX e os assim chamados seus amigos, só estão falando da sua mudança. Você mudou, você está fazendo coisas que disse que não faria. Agora agüente, porque os comentários são mais que naturais. Amiga, este é o preço, tudo tem um preço e também tudo passa.

Edson Carmo

terça-feira, 25 de agosto de 2009

Ainda há uma chance


As vezes nos ligamos a um comodismo gospel, um comodismo de características espirituais e não nos damos conta de que nós assim com todos ser vivente deve estar sempre em um universo de tarefas espirituais.
Devemos nos ligar a um trabalho continuo na obra de Deus...
Nos acostumamos tanto a viver assim aqui em nossa dimensão humana que nos esquecemos de que há um ser em uma dimensão sublime e celeste que quer sempre estar nos proporcionando paz harmonia e união, mas pra alcançarmos tais coisas precisamos nos esforçar...
Mas lembre-se:
Deus não quer um esforço forçado, e sim uma dedicação de amor e cumplicidade com ele...
O amor sacrifical é a plenitude do poder de Deus aqui na terra.

“ESFORÇA-TE QUE EU TE AJUDAREI!”

Gleilson Alves

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Dias atuais...



A cada dia que se passa podemos ver que em nosso ser existe algo vago, um espaço vazio em nossa alma.

Em busca de uma vida de plena paz e de amor múltuo entre irmãos, nos deparamos com algo inexplicável o amor de Deus.

Viver em amor é saber viver em Deus...

O dom supremo e a dádiva mais valiosa do criador para com o ser humano.

Deus é amor, e não arde em ciúmes...

Deus não comete injustiça, mas folga com a verdade...

Deus é o ponto ômega da paciência e não se porta com impaciência...

E acima de tudo isso Deus quer que você seja imitador dele, mas nos vem a cabeça aquela questão...

Será que minha consciência me deixa dizer: “ Sou imitador de Cristo”?

Gleilson alves

CIÚME NÃO É AMOR!


O ciúme não é amor. Amor é saúde, ciúme é doença, uma doença oriunda do estado de vulnerabilidade e de insegurança da alma. O ciúme é um dos mais básicos condicionamentos dos casais. É uma triste herança, um aprendizado que passa de pais para filhos, de geração para geração. O ciúme é uma erva daninha cultivada – e só existe por causa disso. Como o ciúme existiria se não fosse adubado, regado?

Entenda: o ciúme é o sentimento que vem da idéia de que o possuído está prestes a fugir da gaiola do possuidor para uma outra gaiola. Ele é o efeito colateral vindo da certeza de que não se é suficiente para a pessoa amada. Se você é ciumento, ciumenta, é porque desconfia que ainda não é suficiente para a pessoa amada. Se você é ciumento, é porque vê em si um vazio, uma deficiência, uma feiúra... você vê muitas falhas e defeitos em você, o que lhe traz o medo de que ao ser comparado, comparada com outro ou com outra, você fique em desvantagem.

Enfim, se você tem ciúmes, é porque tem a mais plena certeza de que o objeto do seu amor ainda não é seu ou sua.


Edson Carmo
link: http://edsoncarmo-amor.blogspot.com/2008/10/o-cime-no-amor.html